sexta-feira, 7 de novembro de 2008

DESVENTURAS DE UMA VIDA PSI

A coisa mais difícil na vida de um estudante de psicologia é descobrir o horror: A VERDADE!!!

Se conhecer é legal, é lindo mesmo..... Mas estou falando se CONHECEEEEEEEEEEEERRRRRRR, colocar o dedo na ferida e cutucar, arrancar o tumor com a mão.... Já pensou na dor????

Pois é, eu descobri.... Driblei minha resistência e meus sofisticados mecanismos de defesa e fiz o que qualquer maluco-beleza devia fazer.... Descobrir que aquilo que você tenta afastar a todo custo e jura que odeia e morreria sem - é justamente sua pedrinha no sapato....

Todos nós – humanos egoístas (quase) incorrigíveis – temos monstros que arrastam correntes no porão do nosso inconsciente. É aquela porta que você nunca abre, é o lugar mais empoeirado da casa. É daquela porta que você ouve urros e uivos estranhos, mas não se atreve a descer até lá para ver o que é, e resolve fingir que não ouviu e servir mais chá para os visitantes que esperam na sua sala.

Depois de mais ou menos sete sessões de terapia eu chorei..... Me desnudei emocionalmente na terapia quando vomitei as palavras que nunca pensei que diria. Meu monstro do porão estava lá, do meu lado no sofá, me encarando. Claro que com as palavras veio o choro. Choro de uma carência de 24 anos de idade, choro de uma criança querendo amor e reconhecimento. Descobri porque faço coisas que odeio desde quando me conheço por gente, e aquilo que quero fazer – isso não faço.

Toda minha sujeira ali exposta no tapete. Eu quis durante 24 anos não me responsabilizar ou talvez me responsabilizar só 30%, mas agora eu trouxe o problema do porão para a claridade da consciência e agora.... eu tenho que lidar com ele.

Sinceramente, não sei como vai ser daqui pra frente. Afinal, eu tirei a corrente do pé do monstro e agora ele tá na minha sala.

Eu havia levado para a terapia apenas hipóteses para o problema e meu choro compulsivo foi a comprovação dessas hipóteses. Descobri o porquê dos meus traços histéricos, obsessivo, compulsivo – característicos da minha personalidade (que não quer dizer que eu seja uma histérica ou uma pessoa com transtorno obsessivo-compulsivo – TOC). Descobri também minha relação com a comida – passei anos pensando nisso e teorizando sobre o problema!!!
Só me resta saber o que vou fazer com toda essa sujeira na minha sala – eu não posso guardá-la novamente....hahahahahahahahaha.

2 comentários:

Heloiza disse...

Olha tata...gostei do q vc escreveu..parece q eu to me vendo tb atraves dessas palavrasa...axei muito interessante...legal...
bjus..Helo...

Ana Curcelli disse...

Mto bom o seu texto!! E sincero/honesto tb. Amei a Lista de desejos aí do lado. Deixa eu perguntar onde vc faz balé? bj